Compartilhe



Carta ao Conar PDF Imprimir E-mail
Avaliação do Usuário: / 47
PiorMelhor 
Escrito por Equipe Fakeclimate   
Sex, 24 de Junho de 2011 17:35

Prezados Senhores do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária -
Conar,

Em função da recente revisão das normas para a publicidade que contenha
apelos de sustentabilidade, gostaria de observar e sugerir a supressão de
expressões como "economia de baixo carbono", "produção de baixo carbono",
"redução de emissões de carbono", "economia verde ou de baixo carbono", e
todas as demais que façam menção à redução das emissões de carbono e sua
relação com a sustentabilidade e/ou mudanças climáticas da propaganda, já
que elas não seguem os princípios estabelecidos no Parágrafo Único da
Cláusula 36: veracidade, exatidão, pertinência e relevância. Uma eventual
redução das emissões de carbono em nada contribui para a questão da
sustentabilidade, senão o contrário. A tese de que o CO2 (dióxido de
carbono) produzido pela atividade humana traz malefícios não se sustenta. O
CO2 não é um poluente. O CO2 e a água são essenciais para a fotossíntese e
para a vida, tal e como a conhecemos. Existem inúmeros trabalhos científicos
há décadas que mostram que o incremento da concentração de CO2 na atmosfera
se traduz em maior produção agrícola, mais desenvolvimento das plantas em
geral, que por sua vez alimentam todos os ecossistemas. O CO2 é o mais
importante fertilizante natural para as plantas. A concentração de CO2 na
atmosfera hoje é da ordem de 380 ppm (0,038%) e a contribuição das
atividades humanas está em torno de 4% do total de CO2 que é produzido pela
natureza, naturalmente. Não há evidências que demonstrem qualquer relação
causal entre a variação da concentração de CO2 na atmosfera e eventuais
mudanças no clima, senão o contrário. "Mudanças climáticas" é um pleonasmo.
Nunca houve, não há, e muito provavelmente jamais haverá um clima estático.
A amplitude das variações naturais que já ocorreram no clima da Terra são
enormes, e muito provavelmente continuarão a ser, independentemente de nós,
humanos.

Atenciosamente,

Mario de Carvalho Fontes Neto,
Engenheiro Agrônomo

Última atualização em Sex, 24 de Junho de 2011 17:39